close-icon

Quer mais facilidade?
Baixe o app da Medplan.

Fique por dentro

30/11/20 15:52 | NOTÍCIAS

Especialista da Med Imagem fala sobre os fatores de risco do câncer de próstata

Pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta que o câncer de próstata é o segundo mais frequente entre os homens no Brasil. O estudo ainda revela que, em 2020, estima-se que, no país, podemos ter o surgimento de aproximadamente 65 mil novos casos da doença. Assim, é necessário que os homens fiquem cada vez mais atentos à necessidade de procurar acompanhamento médico de forma regular.

O urologista Rodrigo Beserra, da Med Imagem, destaca quais fatores de risco podem contribuir para o surgimento da doença. “O primeiro deles diz respeito a idade do paciente, pois quanto mais velho, maior o risco da pessoa ser acometida pela doença. Porém, não necessariamente pela idade esse tumor será mais agressivo, uma vez que tumores em pacientes mais idosos tendem a ser menos agressivos. Outro fator de risco é a população negra que, segundo estudos, possui uma maior possibilidade de ser acometida pelo câncer e de forma mais agressiva. Por fim, outro fator é a questão dos parentes de primeiro grau de homens que tiveram ou estão com a doença, em especial pai, irmãos e tios. Por isso, é fundamental que os homens procurem o médico de forma regular”, pontuou o especialista.

Segundo levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), em virtude do cenário de pandemia, cerca de 55% dos homens acima de 40 anos deixaram de consultar regularmente o médico ou não deram continuidade ao tratamento médico.

“O rastreamento da doença deve ser iniciado a partir dos 50 anos em homens sem fatores de risco. Aqueles que possuem alguma predisposição à doença, como população negra ou parentes próximos (pai, irmãos ou tios), o rastreamento deve iniciar aos 45 anos. Esse rastreio consiste no exame de sangue (PSA) e no exame do toque retal anual. O mais importante é que a partir das idades citadas seja feito todo o acompanhamento médico necessário para avaliar o paciente de forma individualizada. Outro ponto fundamental é que, mesmo em tempos de pandemia, o paciente deve continuar o seu tratamento”, frisou o urologista Rodrigo Beserra.  

O médico ainda destaca que a prevenção pode ser feita diariamente por meio de alguns hábitos saudáveis. “A prática regular de atividade física, melhor alimentação e o não consumo de bebidas alcoólicas, são fatores que contribuem para reduzir as chances de ser acometido pelo câncer de próstata. A própria campanha do Novembro Azul visa conscientizar e chamar a atenção masculina para cuidar cada vez mais da sua saúde, uma vez que o paciente possui muitas possibilidades de cura desde que a doença seja diagnosticada precocemente”, concluiu o especialista.

Ascom
Edição: C.S.